Empresas do setor sucroalcooleiro buscam serviços de recondicionamento de bombas


Recuperar equipamentos hoje, além de ambientalmente responsável, pode ser uma decisão economicamente viável. É o que garante Hércules Tchechel, presidente da Armo do Brasil. Para o executivo, recondicionar um equipamento usado sai muito mais em conta do que adquirir um novo, já que novas tecnologias permitem reestabelecer os dimensionais originais com segurança e qualidade, podendo até superar o produto original.

As bombas de vácuo e centrífugas, muito utilizadas no processo de fabricação do açúcar e etanol, estão entre os equipamentos que apresentaram nos últimos meses uma alta nas solicitações de recuperação dentro do Centro de Serviços da companhia. Com garantia de uma safra, a execução do serviço tem uma média de 3 dias de duração, dependendo do tamanho e do grau de desgaste do equipamento.

Por essa razão, a empresa decidiu investir na contratação de novos profissionais, especialistas no assunto, ampliando a equipe do Centro. “Adquirimos ainda instrumentos de medição com altíssima precisão, que repercutem na padronização do serviço e trazem benefícios ao setor sucroenergético e também ao mercado de mineração, celulose e papel, além das indústrias químicas e refinarias”, pontuou.

Atuantes no desenvolvimento técnico de produtos desde de 1997, Tchechel conta que, a tecnologia abordada pela Armo do Brasil pode ser facilmente aplicada a qualquer outro equipamento que sofre desgastes por erosão, abrasão, corrosão, cavitação arraste de particulados ou que passa por processos que alteram com frequência o pH ou a temperatura do produto.

Mediante a esse cenário positivo, o presidente afirma estar trabalhando com otimismo. “Estamos investimento em novas tecnologias e buscando soluções cada vez mais viáveis que melhorem os processos industriais dos nossos clientes”, finalizou.

Resultado de imagem para Empresas do setor sucroalcooleiro

FONTE: BOLETIM INDUSTRIAL

Anterior Fenabrave revê para cima projeções de mercado do setor de distribuição de veículos
Próximo Conceito da Indústria 4.0 precisa chegar às PMEs, defende Schneider na Mecânica Manufacturing Experience