Faltam soluções para o descarte e destinação correta do lixo eletrônico no Brasil


No Brasil há carência de soluções para o descarte e destinação correta dos chamados Resíduos de Equipamento Eletroeletrônicos (REEE) ou e-lixo.Na cidade de São Paulo, por exemplo, não há nenhuma política especifica para o descarte de lixo eletrônico. A maior cidade da América Latina fica devendo em logística de reúso e educação ambiental relacionada à reciclagem do e-lixo.

As soluções locais relacionadas ao processo de reciclagem de eletrônicos estão partindo de empresas e negócios emergentes que procuram incentivar o reúso dos equipamentos até a exaustão de sua vida útil. Seguindo as normas previstas na PNRS – Política Nacional dos Resíduos Sólidos, instituída na lei 12.305, de 2010, a Eixo – TI é uma dessas empresas emergentes. Especializada em reciclagem de eletrônicos e no desenvolvimento de equipamentos remanufaturados, a Eixo – TI está associada à Assespro – SP (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação – Regional São Paulo).

A Eixo – TI revela que entre as bases para concretização da reciclagem dos eletrônicos estão etapas como logística reversa, triagem, manufatura reversa, descarte e destruição. Cada etapa requer recursos financeiros, tecnológicos, processuais, mão de obra especializada e são tratadas como elos independentes dentro do supply chain da reciclagem.

Algumas etapas já trazem receita para empresas dedicadas ao processo e oportunidades para novos negócios, com destaque para a triagem dos equipamentos coletados visando a melhora no rastreamento e no reúso para microempresários em processo de inclusão digital, fomentos produtivos em comunidades, projetos de inclusão e formação digital, auxiliando na diminuição dos custos de capacitação reinvestidos regularmente pelo setor empresarial.

O processo de extração de metais existentes nos eletrônicos não é realizado localmente por falta de tecnologia e incentivos para ampliar o mercado de reciclagem. Sendo assim, todo o material arrecadado e destinado corretamente é exportado para países detentores do maquinário necessário. Se houvesse uma maior preocupação nacional, novos postos de trabalho relacionados à reciclagem do e-lixo poderiam ser criados.

Por isso, a Eixo – TI e a Assespro – SP acreditam tanto na importância da educação ambiental para uma solução de longo prazo. Para mitigar a problemática dos REEE as pessoas em suas casas e locais de trabalho precisam investir na coleta seletiva, e as instituições públicas e privadas em aumento no número de postos de coletas, bem como na logística reversa eficiente e com custos plausíveis.

 

Imagem Face 3.jpg

 

Resultado de imagem para Faltam soluções para o descarte e destinação correta do lixo eletrônico no Brasil

FONTE: BOLETIM INDUSTRIAL

 

Anterior Prysmian fecha contrato de R$ 30 milhões com a AES Eletropaulo
Próximo Schunk tem bom desempenho e muda sede brasileira para área com mais espaço